Paixão Arde, Desejo Trai

Mostra de Poemas Comentados de Ibernise

Meu Diário
23/01/2018 05h14
Diário de Uma Sexagenária

Querido Diário.
Hoje tive contato com meu amor. Às vezes é o conflito do meu dia, às vezes é a força que preciso para viver mais 24 horas. Tempo de uma luta sem tréguas de cada dia onde o tempo passado (63 anos e 3 meses) conspira, pressiona para o dia final, que é certo, para todos. Tenho apenas 24 horas para lutar por mais um dia. E é sempre mais fácil se aquela luz suprema ilumina meu ser. O meu amor. É assim que eu fujo da dor e encontro (naquela felicidade que recebo dele, o meu amor supremo), o prazer. É preciso procurar o prazer e fugir da dor, que é para todos, uma questão existencial.

Sei que ele sempre quer me dar a felicidade que é sua, sua pequenina felicidade. E eu procuro o prazer, até nos meus sonhos, para sempre estar feliz. Estando feliz também terei uma pequena felicidade para lhe ofertar, em cada momento nosso, em cada contato, e nisto a força para lutar por mais um dia, só um de cada vez.

Entretanto fugir da dor é condição de sofrer por antecipação, é sempre estar a sofrer, pois da dor (do erro, do medo, da culpa e da perda), ninguém escapa. As frustrações precisam ser trabalhadas para que a habilidade de se sobrepor as situações limites, que atingem a todos os seres humanos, seja cada dia mais eficaz.

Convivemos com todas elas, são adversidades, e não são fruto do acaso, nem da incerteza. Todos estão fatalmente subordinados a estes sentimentos, mas temos que sublimá-los já que não podemos evitá-los. Sublimar algo é conviver da melhor forma com a sua existência nefasta, tentando sempre ver algo de bom numa situação desesperadora. Assim ganhamos autoconfiança e força para sermos melhores, ajudar alguém é uma grande forma de sublimar estes sentimentos. O sublime liberta. A liberdade, porém é lugar solitário. Só cabe um ser, o ser da própria liberdade, pois cada um tem seu espaço próprio de liberdade, é impossível viver da liberdade do outro.

Portanto ninguém escapa da própria dor, porque ela está lá, rondando seu ser, seja lá o que esteja a fazer, a pensar; afiada, impiedosa. Deixando a todos tristes e pensativos. E é aí que o contato com o meu amor supremo, me faz acreditar que terei um bom dia. Surpreendo-me pensando este vai ser um bom dia. Hoje tudo pode mudar. O fantástico deste antagonismo dual, é que o prazer me faz esquecer a dor, enquanto a dor obriga-me a ter esperanças. A esperança é querer que aquele dia feliz se repita e que o momento triste não vai durar... 

E assim espero a surpresa do dia acreditando que o meu hoje, vai ser diferente. Agora inebria-me uma espécie de consciência da certeza do bem, do bom, do certo, do sucesso, da vitória, ainda que seja a cada dia, 24 horas...
Pra que mais?...

Ibernise
Barcelos (Portugal), 15SET2013


Publicado por Ibernise em 23/01/2018 às 05h14
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Site do Escritor criado por Recanto das Letras