Paixão Arde, Desejo Trai

Mostra de Poemas Comentados de Ibernise

Meu Diário
18/01/2015 08h03
Renovação


A esperança é ser natal todos os dias. Como? Despojamento e fé.
Plantar uma semente de paz a sua volta, como? Banhar-se nas águas do tempo novo. 
Deixar que escorra e lave tudo e leve tudo, e deixe tudo novo de novo. 
Corpo e alma mergulhados, num batismo de fé e renascimento.
É natal, é assim que o sentimento natalino nos toma, nos invade e nos transforma. 
Mas é preciso querer ser novo outra vez, e tantas vezes quanto for preciso, ser outro sem deixar de ser o mesmo. 
Viver e deixar viver, crescer amadurecendo, ver coisas nunca vistas, desejar sempre o quase impossível sabendo e acreditando na realização suprema, que haverá sempre de ser a felicidade maior. Saber e sentir-se próximo do próximo numa felicidade pueril, garantida e serena, muito antes do fim que, assim sendo, será sempre um recomeço. Permitir ao espírito renascer, reviver sem cansaço, sem medos, com a certeza de se saber e ser o Amor Maior em ação no terreno dos afetos apenas permeáveis ao coração.

 Barcelos (Portugal), 22DEZ2014.' Renovação ' Prosa de Ibernise.


Publicado por Ibernise em 18/01/2015 às 08h03
Copyright © 2015. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
18/01/2015 06h50
Vai Correio, Vai Pombo


Estavas à entrar
Estavas para mim, 
Como a minha paixão 
Mais  esperada, ânsia descontrolada
Era momento de ti
E de mim
Mas não deixastes nada passar

Passou o vento, 
Sem entreolhares de paz
De boas vindas 
Estavas redomado 
Num domo inexpugnável 
Eras alguém que, 
Antes até parecia ser eu
Mas eu não me vi em ti
A distância era minúscula 
Mas se fez infinita no momento frio

E agora sofro por ti 
Me prostro inerte, sem tua energia
Tudo é frio
Este frio, quando me dás não sara.
E tremo tanto
E dói tanto...

E o frio me veio
E eu que tanto esperara
Tilintei, trinquei, parti
E repartida, já te via tão longe
E já me debatia caída no chão


Por que o chão meu amor?
Porque era o limite da queda
Cujo impacto partiu meu coração.

Te esperei na saudade
Queria tanto ouvir tua voz 
Queria te ouvir falar doce
Como falas comigo, quando estamos sós 
É tua voz exclusiva de carinho e apego a mim
Mas tua chamada não atendi
Perdi o calor do momento
Desligado estava o instrumento 
Impedida a conexão 
A minha alma dormia 
Enquanto a tua inconformada 
Esfriava desconfiada

E o olhar não veio
O abraço não veio
A conversa sem voz tentou
Mas silêncio
Este sim disse tudo

Aqueça-me 
Surpreenda-me
Me olhes curto e fundo
Tente ver a minha alma
Ela pra ti ainda é uma promessa
Que cada dia ganha requinte e distinção 
Não vou te provar nada
Mas vais entender cada ponto,
Da minha dedicação a ti meu amor,
Cada nuance, cada flash que te iluminar com os 
Brilhos nossos para  um espírito definido

Cuides para me dar calor
Por que é o que eu te dou
Cuides do meu frio
Me aqueças meu amor
Não me deixes congelar
O degelo transforma
O estado, enquanto o gelo
É imobilidade, o ermo, estático e estéril 

Quero o ser viril e quente
Que estando longe está mais dentro
De mim
Que estando perto, és tão perto que espraias dentro de mim, te alojas num tempo infinito que nunca escasseia.
Isto sim, é o tesouro que meu amor oferece
E o teu amor me reconhece feliz no movimento que vai e volta.

Vez em quando, quando em vez...
É como um farol que nortea-me 
Ah Marinho quantos nortes a descobrir em cada rumo,
Em cada passo, em cada toque.
Assim me descobres, assim me perdes e me encontras nua debaixo do teu todo.
Cabeça, tronco e membros. 
Continues
Continues
Me procures, ainda que já me hajas encontrado, 
para que eu a ti me faça oferenda, 
que sendo antiga, no encanto do teu amor se faz nova, 
a cada vez, e apenas se renova no teu calor, que é o que te dou.

Mar doce Mar descoberta tardia
Coisas do sonho, do desejo 
Coisas de nossas histórias
Que talvez estejam finalmente 
A se cruzarem, tocarem pelo menos
Não menos que este menos
Para que um dia mesmo o menos possa nos ter sido o mais.

In: 'Vai Correio, Vai Pombo' Carta de Ibernise.

Barcelos (Portugal), 14JAN2015


Publicado por Ibernise em 18/01/2015 às 06h50
Copyright © 2015. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
04/09/2014 00h24
Calcanhar de Aquiles


O novo ano é jogo de luta de escala sem proporcionalidade onde cada relação é nova descoberta nova vontade de ser feliz. É ocasião propícia para acionar gatilhos emocionais, para ajudar a desenvolver respostas mais apropriadas ao sucesso dos empreendimentos materiais e espirituais. A principal meta pode ser mudar a forma como se reage a diversas situações. 

Mudança de atitude é reestruturação cognitiva. Trabalhar suas habilidades positivas, tais como escrita, meditação, etc. Primeiro passo modificar sua rotina, dispensar situações e coisas que depende, na tentativa de depender cada vez menos. Resultado desta busca: Mudar a percepção da realidade atual, despertando para novas realidades, antes imperceptíveis. Descobrir novas formas de motivação e áreas de conforto. 

Todas as lendas européias se originam de uma luta. A vida se origina de uma luta. Cada história tem que ter a sua controvérsia. O maior motivo é sempre o poder pela posse da terra. Os conflitos rurais, na verdade tem a mãe terra como maior protagonista, que deveria ser de paz porque é sempre generosa e pródiga.

Luta. É o pecado que a origina, ou vice-versa? Depende. Há virtude no pecado e pecado na virtude. Considerando um dos pecados perante os deuses, há que se rever a ira de Aquiles, o guerreiro. Aquiles a mais sensível máquina de luta na história das guerras. E sobre o que Aquiles estava tão furioso? O rei Agamenon estava exigindo uma mulher e Aquiles a queria; o seu ódio era ter que desistir da garota…

É assim que o grande imaginário popular age através de lendas, mitos e histórias. Isto a cada dia, a cada atitude, a cada esperança de reconstrução pela coragem de ir avante ou desistir, às vezes, abrir mão do que mais se ama. E a Europa começa 3.000 anos depois. A seguir, bem mais, tarde o Novo Mundo… E tudo isso sempre começa no hoje. 

Este é o hoje e este hoje bem pode ser este agora, onde cada um possa encontrar seu próprio Aquiles, e saiba cuidar de seu calcanhar, por melhor lutador que seja, há sempre que cuidar de suas fraquezas, e saber que a maior luta é sempre consigo mesmo, é sempre interior. Feliz 2014.

In: ’ Prosa de Ibernise.
Barcelos (Portugal), 27DEZ2013. 


Publicado por Ibernise em 04/09/2014 às 00h24
Copyright © 2014. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
04/09/2014 00h17
Alegria é Virtude (agradecendo pelo meu aniversário )

Sempre entendi que o dia do meu niver é dia de dar presentes aos meus amigos, e não de receber presentes. Quem tem amigos recebe presentes seus continuamente, contudo a reciprocidade é mais rara, porque receber depende de nós, mas diante de nossa dádiva ao outro o ‘receber’ não é garantido. Não raras vezes, a dádiva que ofertamos sequer é percebida. Assim receba, tu que és meu (minha) amigo (a) tudo de bom que te ofereço em forma de gratidão e boas energias por tudo que me ofertaste na convivência, no companheirismo e na lembrança em forma de saudades. Não doeu as vezes que brigamos, mesmo quando chorei, pois sabia da certeza do perdão recíproco e incondicional. Não doeram as despedidas porque para todos nós elas são inevitáveis, mas sobretudo organicamente imunizadoras nos dando resistência a dor. É a certeza que cada um que se foi, agora está mais perto como mais um anjo da guarda que ganhamos do Criador. Recebo, retribuo e agradeço a dádiva da amizade em todos os níveis e reconheço que isto tem me tornado um ser melhor, ou que quer ser melhor para si e para o outro. Que este valor seja sempre crescente e gradualmente relativo no respeito a cada forma de viver, com a liberdade ao que cada um mais valoriza. Que siga nosso (vosso) caminhar e brilhe muita luz em nosso (vosso) coração (corpo, alma e espírito) ♥ Barcelos (Portugal), 20JUn2014. ’ Prosa de Ibernise. 


Publicado por Ibernise em 04/09/2014 às 00h17
Copyright © 2014. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
12/10/2013 22h44
Mais Gente Nova...

Mais Gente Nova...

Eu te abençôo e te apresento ao mundo.
Fruto de meu fruto.
Que sejas carinho e pele, razão e coração.
Que sejas forte nos conflitos
E vitoriosa no grande projeto que é viver.

Saúde e paz ilumine os teus caminhos,
Para uma vida plena de amor.
Neste ato de fé cristã e esperança
Eu te Consagro Ashley Pontes, menina, mulher.

Mais uma fértil semente das minhas sementes,
Produto de minhas lavras.
Laborar na seara do lar e em família.

És o mais belo significado dos amores
No poema perfeito que é viver.
Dorme nos meus braços,
Repousa no meu peito minha neta,
Sonha porque aqui estão as tuas raízes de ontem,
Hoje e do teu amanhã.
Graça e inocência,
Ternura e beleza espiritual para a imortalidade do teu ser,
Nos teus (nossos) para sempre sejas querida neta.

 Ibernise. Barcelos (Portugal) 09SET2013
— em Barcelos e Recife.


Publicado por Ibernise em 12/10/2013 às 22h44
Copyright © 2013. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.



Página 1 de 10 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 [próxima»]

Site do Escritor criado por Recanto das Letras